segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Os 30

Eu tinha decidido que esse ano não ia ter a tradicional ode à nova idade pelo puro e simples motivo de "quem foi que disse que isso é obrigatório todo ano?", então cá estou eu. Escrevendo a tal ode.

Quem acompanha aqui (acredito que pouca gente) deve ter notado que esse ano eu escrevi mais do que no ano de estreia do blog, no qual tiveram nove postagens. Esse ano, com sorte chego a dez. A verdade é que as "letras" me abandonaram, não totalmente, mas é como se fosse. Mesmo coisas publicitárias eu sempre fiz num pulo, agora fico meia hora rodando, rodando pra sair algo que considero meia boca. Como o blog é totalmente autoral e só posto quando estou cem por cento afim de escrever ele ficou jogado às traças, assim como muitos projetos que eu tinha nesse ano.

Acontece que esse ano aconteceu muita coisa que eu não gostaria que tivesse acontecido e que eu não tinha o menor controle sobre seu acontecimento ou não. Não vou dizer que me culpo pelo que aconteceu, mas também não me sinto totalmente isento de tudo. Se você leitor recém-chegado aqui não entendeu procure ler "duas canecas" e os posts que vieram depois, sobretudo os da Janaína

Estou escrevendo movido por uma força que sinto estar voltando aos poucos e que, dependendo do estímulo, há de me por a pena à mão e me fazer escrever pra ruiva e pro projeto novo que estou tentando escrever bem aos poucos e com um foco bem certo de onde quero chegar. 

Claro que, em meio à essa tempestade toda, há esperança, eu estaria mentindo se dissesse que não espero nada do ano novo. Mas hoje, não há desejo, vontade de fazer nada. Só deitar e dormir. Nem assistir filmes, séries, desenhos... nada. Só ficar em modo contemplativo a espera de algo que sei que está por vir. Seja no que posso produzir (a "fabrica" de customs de carrinhos e dioramas ta funcionando e vez por outra sai algo, os planos pro podcasts estão sendo carregados e logo saem, janeiro quero lançar alguma coisa em áudio), seja no que posso "sentir" (atualmente perdi a vontade de ter um relacionamento e acredito que possa ser a melhor opção por ora).

Não vou fazer aquele desejo de que o ano que está começando agora seja trinta vezes melhor que foram os vinte e nove porque, sinceramente, os vinte e nove foram vinte e nove vezes pior do que os vinte e oito e... enfim. Espero que, ao menos esses dias que estão por vir, sejam, no mínimo, doces.

sábado, 21 de outubro de 2017

Calibre Trinta e Oito

O cano frio daquela pistola calibre trinta e oito na minha testa era o ponto alto do dia. Os olhos semicerrados conjurando qualquer maldição ao homem detrás da arma. Por alguns instantes me veio à mente a música do Belchior “se depois de cantar você ainda quiser me matar, mate-me logo às três que a noite tenho um compromisso que não posso faltar”. Lembrar de tal canção me fez esboçar um fino sorriso e relembrar o dia de hoje até agora.

De manhã aquele filho da puta do vizinho martelava o motor do fusca mil novecentos e setenta e quatro como se fosse mecânico. Talvez ele arrumasse, afinal, os volkswagen sedans sempre tiveram formas simples de reparo onde meio metro de arame, uma alicate e dois elásticos de dinheiro resolviam noventa por cento dos problemas, os outros dez era necessário mais ferramentas como uma marreta e clipes de papel. Não que eu tenha ficado irritado com o barulho, pois os fones intra-auriculares que eu deixava ao lado da cama tinham essa finalidade mesmo. Voltei a dormir acordando só com uma imensa vontade de mijar.

Quando levantei já pensei em ficar em pé, afinal, o dia poderia ser ótimo, meu horóscopo dizia algo como a passagem de vênus por júpiter que passava pela lua e entraria no sol faria meu dia ser proveitoso sobretudo no que tangia o lado sentimental e financeiro. Um contrassenso uma vez que, se o lado sentimental estivesse em dia - o que não era o caso - meu lado financeiro estaria fodido, afinal, não existe relacionamento sentimental sem custos, isso, claro, se ele existisse, o que, obviamente, também não era sinal de que o lado financeiro estava bom. Não estava. Também não devo dizer que estava ruim, afinal tinha comida na mesa e os boletos na gaveta estavam relativamente em dia.

Depois de comer fui pra rua. Não queria, juro. Mas era necessário, afinal médicos recomendam alguns minutos de sol todo dia para produção, captação ou qualquer coisa assim de vitamina D. Uma vitamina que, segundo eles próprios, vinha só da luz do sol. Claro que sol demais dava câncer, mas não era essa a questão. Sempre ouvi de tias mais velhas que precisava tomar vitamina e blá-blá-blá. Tudo uma baboseira sem fim. No fim nossa alimentação e hábitos nunca vão ser suficientes para que nossa saúde fique em dia. No fim médicos estavam a serviço de laboratórios que faziam, pasmem, vitaminas e remédios para câncer. Bela forma de nos foder, sistema.

O dia seguia bem mais ou menos quando um temporal daqueles que não dura dez minutos mas derruba árvores velhas que a prefeitura não podou porque algum ambientalista babaca disse que aquela árvore era um ser vivo com sentimentos e sensações e que podá-la era pior que um assassinato de bebês. Certamente essa pessoa nunca viu uma floresta de verdade e viu que, paulatinamente, todas as árvores caem seja por chuva, vento, seca, velhice, castor, orquídea assassina ou qualquer coisa semelhante a isso. Devia comprar um cantil daqueles de alcoólatra de filme.

Pisar numa poça e lavar meu pé dentro do tênis me fez repensar a ideia do cantil. Melhor não. A merda é que meu pé ficou completamente molhado por uma hora além do tempo da chuva. Aí quando, enfim, dá a hora de meter o pé para casa dou de cara com um sol fodidamente alto no céu. Meu primeiro pensamento é “mazoquê”, assim mesmo, tudo junto e dessa forma sonora, embora o som lembre mais um guarda do antigo jogo max payne onde, quando o personagem-título do jogo entrava no ambiente o guarda dizia, em bom português “masqueeeee” assim, prolongado, ele não durava muito, afinal, o max payne era foda.

E agora, parado nesse trânsito doentio cheio de mães levando seus filhos para casa e jovens universitários indo para aula que na verdade era o bar do outro lado da rua - não precisam me enganar, já fui um de vocês - acabam por parar todas as ruas. Daqui meia hora tudo vai estar mais deserto que ruas do velho oeste em hora de duelo. Por falar em duelo, voltemos ao instante atual, o que me fez reviver o dia inteiro até aqui e ficar puto com o assaltante a ponto de ordenar ele a colocar o cano da arma na minha testa.

-Vai atirar ou não? Porque se não vai dá o fora que hoje não tô num dia bom.

-Não me provoca, cara, eu já passei muitos por menos.

Blefe. Uma das condições mais interessantes em pessoas em situações limítrofes. Fazia tempo que eu não jogava um truco. Ele ficou quase um minuto simulando que ia atirar. Ah, que se foda. Saí do carro com a arma dele na minha testa. Ele era minimamente mais alto que eu. Ele grunhiu algo.

-Facilitei pra você, agora resolve logo se vai atirar ou pára de ocupar meu tempo com essa tentativa de merda de assalto.

Foi agora que o braço dele fraquejou, achei que ia ganhar uma coronhada, mas nem pra isso ele servia. Hora de pensar rápido. Rasteira e um tiro ao lado do ouvido esquerdo, sem pegar a cartilage. Vamos melhorar isso, um tiro do lado do ouvido direito também. Se os livros de ciência da época de escola estão certos o ouvido é quem controla o equilíbrio por meio de líquidos e, uma vez que algo perturbasse esses líquidos com um ruído alto deixaria a pessoa desnorteada por um bom tempo. Pugilistas usavam isso, por isso no treinamento eles usavam aquele capacete ridículo de espuma. Ouvi sirenes ao longe. Pobre diabo, mais um pro sistema prisional que não resolve merda nenhuma. Ou talvez ajudasse, ladrões pequenos assim eram encaminhados para algumas prisões modelo onde produziam roupas, bola de futebol… mão de obra barata para o capital ganhar sempre. Entrei no carro e saí calmamente.

Talvez devesse repensar naquela ideia do cantil.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Viração

Dizem que o corpo humano é composto, aproximadamente, de setenta por cento de água. Janaína sentia isso a cada instante que ficava alguns pares de segundos "aérea", tinha o sentimento de se afogar em si mesma. Não que fosse um sentimento complemente novo, mas dessa vez sentia ele como se fosse mais... definitivo.

Haviam algumas semanas, talvez uma trinca de meses que sentia tudo isso piorar gradativamente, cada dia que passava, cada instante que avançava rumo ao, cada vez mais incerto, futuro, esse afogar-se lhe trazia, além da sensação de morte uma incapacidade de se ligar às coisas ao seu redor. Um colega foi assaltado. Tanto faz. Um país distante diz querer soltar uma bomba que pode deflagrar uma guerra. Tanto faz. O orégano acabou. Ta, tanto faz. Sentia-se a espera de algo que estava por vir e por isso reagia apenas da forma que menos consumisse energia do seu corpo.

A verdade é que aguardava conflitos e, no fundo, se sentia como um país pequeno encravado entre dois incomensuravelmente maiores em extensão, poderio bélico e população. Respirou fundo trancando a casa. Era preciso o que o Paraguai buscou em sua guerra contra o Brasil e a Argentina séculos atrás: uma saída para o mar. Lembrou do carnaval e da sensação que teve ao ver o mar. Ela era do mar. Seu nome remetia ao mar. Mas uma decepção a afastou do mar. Quase como uma mágoa.

Desligou o aparelho celular, não tinha mais a presença de Helena para deixar avisado para onde iria, animal de estimação não quis e não demoraria tanto a ponto de suas plantas morrerem. Já na estrada se deixou olhar para as árvores, placas, casas, outros carros. Se deixou levar pela atmosfera de viajar. Apostou consigo mesma quem veria o mar primeiro. Se seu olho direito ou esquerdo. Ambos perderam, pois o atlântico surgiu na frente, após um pequeno aclive já no terço final da estrada. Só agora se deu conta que não trouxe mala. Apenas a bolsa com a câmera, o celular devidamente desligado, documentos e dinheiro um pouco além do valor da passagem. Pelo calor já dando o ar da graça estava com uma roupa leve. Nada excepcional, vestido longo solto com mangas curtas, uma sandália rasteirinha e a bolsa. Poderia passar por uma daquelas hippies chiques que viu em algum lugar ser tendência de moda de algum verão passado. Enfim desceu na rodoviária. 

O mar que estava indo encontrar não era o seu. Quer dizer, não era o mar que se habituou a ir quando precisava de apoio ou ajuda. Embora fosse mais ao norte era o mesmo oceano e... não, era o mesmo mar sim. Por alguns instantes se lembrou do carnaval e o quanto a cidade parecia vazia. Típico das cidades litorâneas fora da temporada. Ela cresceu numa dessas. Pensou naquele seu amigo com quem mal falou depois dos dias de folia. Será que ele ainda morava aqui?

Conforme se aproximava da praia sentia o cheiro característico. O sal no ar. Um sorriso fino se desenhou nos lábios de Janaína. O sol descia no horizonte atrás dela. Ainda da calçada ficou alguns minutos imóvel diante da imensidão. Três pessoas tiravam um barco do mar com o uso de troncos, uma maneira extremamente rudimentar e funcional. Tirou as sandálias e deu o primeiro passo sentindo a areia fofa entre os dedos. Uma lágrima ousou brotar no canto dos olhos e o sorriso se espalhou pelo restante dos lábios. Se esse mar fosse minimamente parecido com aquele que tinha como seu logo sentiria o que veio buscar. Caminhou na direção da rebentação até sentir a areia firme. Fechou os olhos e a água na qual se afogava ficou menos mortal. 

Ainda se sentia descolada das coisas humanas, achava tudo tão pequeno e efêmero que não valia a preocupação. Por outro lado sentia-se preocupada com o que estava por vir, o que poderia lhe tirar dessa inércia. Quando abriu os olhos já estava escuro. Na praia ninguém ficava, o barco já estava afastado da maré, um casal ao longe caminhava de mãos dadas indo embora, do outro lado uma figura com um cachorro se afastava. Era como se todos fossem embora temendo o vento negro. Ela nunca temeu. Aliás nunca usou esse nome. Preferia outro nome dado por um poeta do qual ela não lembrava o nome mas que alguém tinha musicado.

É viração.

domingo, 6 de agosto de 2017

Rupturas

Dizem que choramos ao nascer porque o ar, ao entrar pela primeira vez nos pulmões traz a sensação de fogo interno, afinal o ar fora do líquido amniótico carrega em si muitas toxinas e por isso choramos. A verdade é que choramos porque sabemos que nunca mais teremos a proteção do ventre. Esse é o motivo daquele choro quando vamos pro nosso primeiro berço, depois para a cama, depois a creche, escola... todos esses choros são choros de rupturas. Ele é necessário, tal qual ritos de passagem.

Mas nem sempre podemos ou até mesmo damos passagem a esse choro. Muitas vezes somos obrigados a deixar ele ali, no cantinho, afinal temos que ser fortes, demonstrar fraqueza é mal visto. E assim vamos deixando esses choros de rupturas se acumularem. Um após o outro. O outro após um. Não há barragem que, depois de certa quantidade de água, não ceda, não transborde, vaze de alguma forma. Há aquele instante onde uma única pedrinha que sustentava o todo resolveu sair de posição, rolar verterdouro abaixo. Uma única pedrinha. Duas dúzias de gramas frente à massa de toneladas de água retida. Há a ruptura. Engenheiros chamam isso de ponto de stress. Uma estrutura é programada a manter determinado peso, passando disso, inevitavelmente, há a ruptura. Sempre o acúmulo, o acúmulo e aquela fração de segundo, aquela grama a mais e tudo desmorona.

Talvez o único "sistema" que funcione bem gerindo esses acúmulos e rupturas sejam as nuvens. Elas condensam a água evaporada até certo ponto e, quando menos se espera elas chovem. 

Não, a chuva não é o choro, chuva é a ruptura necessária para a semente na terra germinar. É o necessário para o romper da casca da semente. Conforme a planta cresce ela rompe o solo. Conforme o solo se rompe a água entra mais fácil. Outras rupturas. Uma ruptura causando outra ruptura que irá causar mais uma ruptura.

Ruptura. No singular. Uma de cada vez. Um romper por tempo. Acho que, apesar de não gostar do som da letra R no começo de palavras, vou fazer uma exceção. Certa vez disse que só haviam duas coisas que me colocavam a pena à mão: amor e dor e que todo o resto que escrevia, por mais elogios que tivesse, não era visceral, não "valia" porque não tinha a emoção de um amor ou uma dor, era vazio. 

Pois agora, lendo as últimas linhas, aceito a exceção. Há mais uma palavra, porém no plural, pois ela é algo vivo e que ocorre sempre. Uso o termo oriental "kanji" pra definir o que me coloca a pena à mão (embora eu saiba que o termo "kanji" são os ideogramas que, em muitos idiomas, representam sílabas e não necessariamente um sentimento ou sensação, que é como eu interpreto os kanjis), o que me fará molhar a ponta de metal no tinteiro e me porá debruçado ao papel: rupturas.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Gota

De tempos em tempos tenho uns momentos que quero escrever, que preciso escrever, que aquela coisa amargura o peito, enche os dedos de ideias, de palavras, de sentimentos. É como um copo que vai se enchendo gota a gota, sentimento a sentimento, palavra a palavra até que chega um momento em que uma única gota se atreve a romper o copo e escorrer pela lateral do copo. Nesse instante é quando vem uma palavra só, um sentimento, uma letra. Nem sempre uma gota é suficiente. Nem sempre uma gota me bota a pena à mão, que me faz ativar o teclado do smartphone. Uma gota não é transbordar, uma gota, muitas vezes, é só uma gota.

sábado, 15 de abril de 2017

Burocrática

Nunca foi fã de leis e códigos em geral. Tanto que fazia faculdade de algo mais aleatório possível. O sistema queria molda-la. A queriam, como dizia Pessoa, "burocrático, tributável" e tudo que ela queria era ser longe disso "inconstante, livre". Ainda que, para Janaína o conceito de "livre", liberdade fosse ser alguém sem compromissos que pudesse optar. Claro que tinha consciência de que perderia a liberdade quando começasse a trabalhar. Perderia a liberdade quando, eventualmente, começasse a namorar a sério. Pensar nisso a fez ter um calafrio. Não queria isso, queria sua liberdade emocional - ao menos ela - livre. Não estava pronta pra ficar sem seu espaço. 

Sem tirar o corpo da cama ou até mesmo se mover mais do que o necessário abriu a cortina vendo que, lá fora, chovia. Não tinha compromissos nesse sábado acinzentado. Seu novo amigo mantinha hábitos semelhantes aos dela: de quando em quando sumia, passava dias sem dar o menor sinal de vida. Talvez por isso que deu certo a amizade deles, se entendiam, tinham mais coisas em comum do que muitos casais ditos perfeitos - ainda que a tal perfeição, na concepção de Janaína, não existia em plano nenhum, nem mesmo um hipotético deus, caso existisse, seria perfeito.

Olhou as gotas d'água escorrendo no vidro enquanto puxava a coberta. "Foda-se", disse sem afastar os lábios. Com a ponta dos dedos puxou o fone. Os pingos, o trânsito, os barulhos eventuais dos vizinhos. Tudo ficou abafado quando ela ligou em alguma web rádio de metal-gótico-escandinavo e deixou-se enebriar pela melodia. Uma lágrima escorreu enquanto pensava nos versos de Pessoa. 

Estava burocrática. Comia. Bebia. Saía. Transava. Dormia. Assistia. Ria. Tudo automático. Tudo burocrático. Tudo pela máscara social que não conseguia tirar. Novamente Pessoa veio como um raio em seus pensamentos. E quando conseguisse tirar essa máscara? Se reconheceria? Estaria velha tal qual o cão tolerado pela gerência por ser inofensivo? Pensava em escrever versos com a essência musical. 

Pare. 

Respira. 

Afunda o rosto no travesseiro. 

Grita com toda a força.

Respira com dificuldade. 

Soluça.

Deixa sair.

Um trovão. 

A chuva aumentou.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Duas Canecas

Era uma vez um vendedor de canecas. Meio hippie, meio comerciante, meio muitas coisas, inclusive meio vendedor de canecas. O vendedor caminhava por aquele balneário turistico onde muita gente morava, onde muitos visitavam. Foi numa de suas andanças que o vendedor encontrou e negociou a caneca de metal que viria ser dele. A gravação do nome foi instantânea. Como ele vivia sozinho tudo se bastava. Cerveja, água, refrigerante, suco, ele bebia de tudo naquela caneca.

Quando o período sabático acabou e tanto ele quanto ela voltaram a dividir o mesmo teto o vendedor reapareceu. Pouca coisa nele havia mudado, apenas o cabelo estava maior e a periodicidade de banhos menor. Fizeram-se as honras. O vendedor com a trouxa cheia de canecas metálicas deu todas as opções. Ela se demorou alguns instantes e escolheu a caneca acinturada. O nome foi gravado mais rápido que o nome dele. Na caneca ela beberia de tudo. Cerveja, água, refrigerante, suco. Tudo mesmo.

Acontece que as canecas, outrora tidas como de metal, na verdade tinham esse nome para simplificar a venda, uma vez que elas eram de uma liga barata de alumínio que, com pouco cuidado, deteriorava-se. Por ela beber mais refrigerante de cola o fundo da caneca acabou por ganhar uma coloração escura antes da dele. 

Alguém lavava ambas as canecas diáriamente. Às vezes até pegava uma palha de aço para devolver parte do brilho original tanto do lado externo quanto do lado interno. Porém, com o passar do tempo essa atividade tornou-se mais penosa, mais demorada e inútil. Com o correr de alguns anos ela desistiu de tentar lavar tal caneca e preferiu jogá-la fora. "Vai pra reciclagem" e lá se foi a caneca dela misturada às latas. Reciclar-se os materiais para que pudessem virar outros materiais úteis.

A caneca dele seguia lá. Agora fosca pelos anos de uso e relaxo no cuidado. Já não era mais usada para bebidas, o fundo estava torto, ao lado do lixo. Vez por outra usada como uma simples caneca que servia para jogar água na pia afim de limpar a pia. Mas, sempre ao fim daquele serviço, ela voltava para a lateral direita do lixo.

Em um dia quase esquecido alguém resolveu buscar o brilho daquela velha caneca. Era em vão. O processo de ariar acabava por riscá-la ainda mais. Talvez fosse a hora da caneca dele seguir o caminho da caneca dela. É chegado o momento da caneca dele ir, muito provavelmente ela iria para a mesma fábrica que foi a caneca dela e, quem sabe tornar-se-ia novamente uma caneca que iria primeiro para a mão dele, depois para a dela...

quarta-feira, 1 de março de 2017

Das Cinzas

Janaína havia declinado várias investidas de seus "amigos-colegas" sobre passar o carnaval em outro lugar. Ao fim de muita insistência e muitas palavras como "eu também não gosto de carnaval, vou pra espairecer esse último ano de faculdade" ela acabou cedendo. Assim ela pegou seu carro e levou uma de suas colegas. Na hora da saída disse que ficaria num quarto sozinha, porque carnaval e "vai que..." e riu. Todos riram. Na verdade tudo que ela queria era um lugar para se esconder quando a agorafobia batesse. Assim a "amiga-colega" entrou no carro e desceram em comboio até a cidade litorânea. Ela sorriu quando viu o mar. Era do mar, mas tinha escolhido se afastar antes que o velho desejo de se misturar a ele fosse para a terceiridade.

Ele estava sozinho. O trabalho ia bem, a motocicleta em dia. Tudo funcionando tal qual um relógio suíço. Não fosse pelo detalhe de não ter sido convidado para nada. Seus amigos já sabiam que era perda de tempo, ele recusaria qualquer oferta de sair, viajar, festa. Só iria quando e para onde quisesse. E tomar essa decisão, no tempo livre, era raro. Seu tempo livre não gostava de se comprometer com ninguém. Ela tinha sumido de novo, como se isso fosse novidade. Com a pianista uma ou duas frases via aplicativo. E, na espera pelas duas, ou nenhuma ou alguma outra que viesse a aparecer, ele preferia ficar na dele. Quieto. Mas hoje imbuiu-se de uma energia diferente. Só queria beber um pouco, quem sabe comer algo diferenciado. Foi assim que redescobriu a maior merda de se morar numa cidade litorânea: todo mundo vinha parar ali.

Quarta-feira de cinzas. Ele entrou no barzinho temático dos anos sessenta. Foi ali que conheceu a pianista. Sentou no balcão e pediu um cowboy. Na televisão passavam alguns clipes de rock mesclados com algumas coisas pops. Janaína entrou torcendo para que não visse nenhum conhecido. Fingiu um mal estar o feriado todo e ficou no quarto até hoje, quando decidiu sair para beber algo. O ambiente era agradável, a música não era samba, pagode, sertanejo ou uma mistura satânica deles. Enquanto pedia uma caipirinha pensava no oásis que tinha acabado de achar.

Ele, mastigando uma pequena porção de torresmo olhava para ela de canto. Moça bonita. Não havia nada de especial nela, parecia uma fugitiva solitária sem ficha criminal. No mínimo havia dado um bolo em todos os amigos e veio para cá se esconder. Tipo ele. Colocou mais um pedaço de torresmo na boca enquanto, na televisão, tocava os primeiros acordes de Hotel California. Na versão com o Eric Clapton. Sua visão foi para a tela.

Janaína foi atraída pelo dedilhar do começo da música. Quando mais nova tentou aprender aquilo. Desistiu quando cortou os dedos nas cordas do violão. Por uma respirada não fez como Pete Townshend e esmigalhou o Tagima no chão. Verdade seja dita: ao olhar para além da televisão viu ele parado, olhar fixo na tela, uma porção de torresmo, o primeiro pensamento foi no pobre do suíno frito salgado. Podia pedir para si uma boa quantidade da mesma iguaria. Mas resolveu se aproximar do estranho. Bonito, introspectivo. A julgar pela roupa não parecia turista. E nem nativo. Era, como dizia aquela música de conhecido compositor gaúcho "vindo de outros tempos mas sempre no horário, peixe fora d'água, borboletas no aquário.". Enquanto ela caminhava na direção dele, para se sentar ao lado do mesmo pensava se ele também estava ali por amor às causas perdidas. 

- Cabe mais uma nessa porção de torresmo?

- Tudo depende dessa uma vir acompanhado de apresentações e mais uma rodada de álcool.

- Acho justo... também fugindo do carnaval?

- Touchê. Aqui é um dos únicos lugares da cidade que não está tocando samba, pagode ou qualquer outra dessas coisas típicas dessa época.

Janaína sorriu estendendo a mão ao, ainda desconhecido se apresentando. Ao passo que ele fez o mesmo. Dez minutos depois ela sorria e contava ao estranho coisas que jamais contaria aos amigos que lhe trouxeram para o carnaval. Quer dizer, aqueles lá não eram verdadeiros amigos. O estranho sim, ele era alguém pra chamar amigo. Desde que Helena havia decidido ir embora Janaína se sentia sem ter com quem conversar. Tentou iniciar um blog, um diário, algo do tipo. Mas desistia no fim da primeira tentativa.

Ele, por sua vez, via na moça um bom papo - algo raro -, porém não conseguia ver nada além de conversa, amizade. Será que ele estava desistindo em definitivo desses sentimentos mais profundos? Provavelmente as últimas vivências dele não foram necessariamente boas a ponto dele querer ter um envolvimento maior. Tudo que ele queria agora era conversar, precisava disso. Merecia isso.

Trocaram números de celular enquanto esperavam o balconista trazer mais uma rodada da combinação álcool e torresmo. Se aproximaram. Talvez fosse um beijo mas não. Sem saber estavam se tornando bons amigos. O sentimento que surgiu entre eles era mais como uma irmandade do que algo baseado em amor ou até mesmo sexo. Por isso Janaína, mesmo tendo desejos aquietou-se frente a ele, viu nele uma tranquilidade, um confidente que só via em Helena.

Ele, por sua vez, com um sorriso sincero que a muito não via a luz do dia viu em Janaína o lado que fez se encantar por Ela. Viu também o lado brincalhão, que discute interesses semelhantes, que entende de assuntos filosóficos, que tem uma cultura a ponto de discutir os viés da obra de Bukowski, Baumann e ainda entender as referências em um clipe do Queen que só tinha visto na pianista. 

Será que Janaína existia? Será que ele existia? Ao fim de mais de três horas de conversa, álcool, torresmo e mais conversa se despediram não sem antes programar algo para a páscoa ou o próximo feriado ou quando desse. A verdade é que os dois não entenderam o que havia acontecido ali. Os próximos dias diriam a eles o que aconteceu e a amizade, parceria, irmandade tenderia a se fixar ainda mais. Dali alguns anos lembrariam que tudo começou em uma quarta-feira de cinzas...