segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Lembranças


As lembranças encrustradas naquelas paredes, naquele ambiente... quantos beijos haviam sido dados entre aquelas colunas? Quantas horas conversando as mesmas banalidades, as coisas sérias, discutindo onde morariam, os sonhos, os desejos, os medos... agora tudo estava abandonado. Alguns anos se passaram desde os dias que estiveram ali, o prédio - seu antigo colégio - agora estava praticamente abandonado. Diziam que seria demolido para construção de uma escola mais moderna. Crueldade. Deviam haver leis que proibissem locais com lembranças de serem demolidos. Claro que as lembranças não seriam apagadas, mas... ainda assim era cruel. Pensou em protestar, se acorrentar nas colunas com uma placa ao pescoço "salvem minhas lembranças!", faria greve de fome, passaria dias e dias sem comer afim de chocar e comover a opinião pública, atrair a imprensa, fazer um alvoroço jamais visto! Tudo para preservar as suas lembranças! Muito provavelmente outras pessoas, recordando de suas lembranças se uniriam a causa, se acorrentariam, fariam abaixos-assinados, protestos, interditariam ruas, campanhas em redes sociais... não. Espere. Sorriu batendo na propria testa. Como era tolo. As lembranças vão estar sempre em um lugar que nao pode ser demolido, que não pode ter outro prédio construído... as lembranças, aquelas que marcaram, aquelas que são para sempre, vão estar onde nada nem ninguem vai tirar. Elas vão estar sempre no coração.

Um comentário:

A Procura da Luz que Pretendo Beber! disse...

Aconteceu algo semelhante comigo, Eu sempre ia nos dias de eleição em minha escola onde quando criança estudava aqui em Brasilia, e aproveitava para visitar a mesma. Depois de alguns anos passados, voltei novamente para votar nua nova eleição, chegando lá, avistei só os escombros, ela havia sido demolida para construção de uma nova escola. Nossa, chorei de tristeza.

Vlw!